Plano de Segurança Em Data Centers

Plano de Segurança Em Data Centers

Um Plano para Proteger Operações de Nível 3 e 4

As organizações empresariais prosperam com base em dados que hoje são considerados commodities – eles estão no centro de praticamente todas as operações que envolvem sistematicamente todos setores da empresa, registros financeiros (Dados de Cartões e Extratos Bancários) e propriedade intelectual. Centros de dados altamente protegidos armazenam grandes quantidades de informações digitais, e o tamanho e o escopo desses centros pode variar, mas cada site é de missão crítica. Ao contrário de algumas operações corporativas, os data centers na podem ter indisponibilidade.

Notícias frequentes relatam violações dados críticos, muitas vezes envolvendo milhões de registros contendo informações detalhadas de pessoas físicas e jurídicas; no entanto, uma violação física que resulte no dano ou destruição de dados e equipamentos pode ter um impacto igual ou mais devastador.

Data centres podem ser de propriedade e operados por uma única empresa, ou podem ser instalações de co-localização (compartilhada), hospedando dados de diversas empresas. Em qualquer um dos casos, a segurança física deve envolver todo o local, desde o perímetro externo até os servidores que armazenam os dados. Além disso, os integradores devem projetar, instalar e manter planos necessários para impedir ameaças que vão desde hackers de ransomware até espionagem corporativa e terrorismo.

Aplicação de Eclusas para Controle de Acesso e Metais em Data Center de Instituição Financeira

O nível de segurança exigido para um data center está além do necessário e acessível para operações menos essenciais; no entanto, segurança é muito mais do que câmeras e controles de acesso biométricos – significa preparar uma solução integrada que protege pessoas, propriedades e outros ativos valiosos.

Data Centers se enquadram em quatro camadas internacionalmente reconhecidas. Os níveis um e dois geralmente são instalações externas de armazenamento de dados, não acessadas em tempo real. Um nível mais alto de segurança é necessário para locais de nível três e quatro que fornecem serviços de missão crítica, geralmente não podem ter segundos de indisponibilidade. Aqui será demonstrado o tipo de segurança física necessária para este último grupo.

Um Plano de Segurança Especializado

Comece com uma avaliação de risco, se os equipamentos estão instalado em uma nova construção ou se é uma atualização de dispositivos existentes. Identificar os pontos fortes e fracos de segurança de um local ajudará realizar gatos com sabedoria antes de qualquer compra . Também ajuda a garantir que o produto final atenda aos padrões internacionalmente reconhecidos, como ISO27001, usado para certificar que um centro implementou controles de segurança apropriados. Uma avaliação de risco completa pode gerar oportunidade de receita adicional.

O melhor lugar para impedir os invasores é antes que eles acessem a propriedade. Uma cerca de 3 metros, com cerca elétrica e ou infravermelho, se possível uma segunda cerca, com cães (fêmeas) treinados para alarme em caso de intrusão fornece uma barreira de primeira qualidade, drones de vigilância também tem sido utilizados para monitoramento externo. Instale cabos de fibra ótica e detectores de movimento para localizar os escaladores. Ao integrar os sensores com o sistema de vigilância por vídeo, os oficiais de segurança podem visualizar os locais de alarme e tomar as medidas adequadas. Mantenha o perímetro bem iluminado, mas também considere câmeras térmicas para visão noturna.

Forneça aos funcionários cartões de controle de acesso, se possível com autenticação dupla biométrica, para abrir portões de entrada e saída do estacionamento ou garagem. Os visitantes devem parar em um posto de guarda, mostrar a identidade e confirmar que têm um encontro com um funcionário autorizado. Todas as estradas que entram na propriedade devem ser em zig-zag para diminuir a velocidade dos veículos. Postes de concreto armado instalados na frente das entradas protegem ainda mais a instalação de um ataque de veículos.

Torne a autenticação dupla a norma para funcionários começando nas entradas externas do prédio. Isso normalmente inclui leitores de cartão e biométricos. Os cartões de verificação de identidade pessoal (PIV), incluindo um chip com um modelo biométrico, oferecem maior segurança. Durante a pandemia COVID-19, um leitor biométrico de íris sem contato não é afetado pelo uso de máscaras faciais ou óculos de proteção.

Torne a autenticação dupla a norma para funcionários começando nas entradas externas do prédio. Isso normalmente inclui leitores de cartão e biométricos. Os cartões de verificação de identidade pessoal (PIV), incluindo um chip com um modelo biométrico, oferecem maior segurança. Durante a pandemia COVID-19, um leitor biométrico de íris sem contato não é afetado pelo uso de máscaras faciais ou óculos de proteção.

Detectores de metal monitorados por oficiais em todas as entradas podem impedir a entrada de armas nas instalações. Ao fazer com que todos saiam pelas mesmas portas, os detectores podem alertar se alguém tentar roubar um disco rígido. (conheça os portais detectores de metais MAGate)

Os visitantes precisam de uma entrada separada no saguão. Receba os visitantes na recepção do saguão, onde suas identidades emitidas pelo governo são passadas por um sistema de gerenciamento de visitantes para registrar os dados antes de imprimir um crachá temporário. A partir deste ponto, os funcionários autorizados devem acompanhar os visitantes durante toda a sua estadia.

Se Movimentando Dentro Do Data Center

Exija que todos que se movimentam entre os níveis – desde o saguão até os escritórios, o centro de operações de segurança e a sala do servidor – entrem por duas portas separadas por Eclusas para Controle de Acesso Individual ou Torniquetes, dependendo do nível de restrição. Use a autenticação multifator em cada entrada com apenas uma pessoa por vez autorizada a passar para evitar a utilização não autorizada. A segurança autônoma que essas entradas oferecem faz com que valham o tempo e as despesas extras. Sair de um nível requer o mesmo processo ao contrário. Programe o sistema de controle de acesso para permitir que apenas aqueles necessários para entrar no próximo nível tenham permissão para fazê-lo. (conheça os torniquetes insetec…)

Sistemas confiáveis de travamento eletrônico, que requerem autenticação de dois fatores para serem abertos, são recomendados para todos as salas de servidores. Os servidores com as informações mais confidenciais, como dados de cartão de crédito, podem exigir dois conjuntos diferentes de autenticações para acesso.

As salas de servidores são o coração da instalação e exigem o mais alto nível de proteção. Idealmente, eles devem estar localizados bem no interior do edifício, sem portas ou janelas externas. Inclui sensores de água, umidade, temperatura e incêndio garantindo que os servidores operem dentro de parâmetros ambientais restritos. Além disso, considere uma eclusa de controle de acesso individual com autenticação dupla (Biometria + Senha ou Biometria + Cartão), se possível utilizar modelos com detector de metais acoplado na entrada e na saída do controle de acesso, reduzindo riscos de roubo de discos rígidos e afins. (conheça o modelo de eclusa com detector de metais MSmini ITL…)

Os guardas devem conduzir visitas diárias para confirmar se todos os elementos do sistema de segurança estão operacionais. As auditorias bimestrais do SOC (Centro de Operações de Segurança) garantem que os equipamentos e funcionários atendam às expectativas. Guardas na portaria de entrada de veículos, hall e no SOC, bem como um ou dois para patrulhar regularmente o perímetro externo, podendo ser utilizado também drones de vigilância.

Certifique-se de que quaisquer rotas de evacuação, portas e saídas de incêndio apenas permitam que as pessoas saiam do edifício. Evite a reentrada removendo quaisquer maçanetas das portas externas e tenha um som de alarme quando uma dessas portas abrir. Selecione locais de reunião internos e externos, estando ciente de que podem sofrer alterações devido às condições ambientais ou a um ataque terrorista. O usuário final deve nomear um capitão e um assistente de cada departamento para ajudar a supervisionar as evacuações. (conheça nosso parceiro de drones de monitoramento…)

Não se esqueça de proteger o sistema HVAC (Aquecimento, ventilação e ar condicionado) – os dutos fornecem uma entrada e um caminho para dentro e através de uma instalação. Além disso, não negligencie a necessidade de sistemas de energia redundantes. Instale UPS e geradores para manter o centro operando em um nível mínimo para manter os servidores em caso de apagão. (conheça nosso parceiro de sistemas UPS…)

Adicione software analítico ao sistema de vigilância por vídeo para verificar se há objetos deixados para trás. Embora possam ser inofensivos, eles podem conter explosivos capazes de interromper as operações do centro. Manter todos os registros de vídeo e entrada por pelo menos 90 dias.

Ao escolher os dispositivos de segurança, vá além das necessidades de segurança de hoje. Procure equipamentos escaláveis usando padrões abertos para atualizações fáceis de firmware e software para acomodar o crescimento e outras mudanças na operação de um centro.

Importancia dos Integradores de Equipamentos

De acordo com algumas estimativas, os funcionários são responsáveis por 60% das ameaças à segurança do data center – tanto inadvertidas quanto maliciosas. Considere recomendar ao usuário final que proíba os dispositivos de propriedade dos funcionários, como laptops e smartphones, em áreas de missão crítica.

Identificar e escrever políticas e procedimentos, planos de recuperação de desastres e fornecer treinamento são fontes potenciais de receita do integrador. O treinamento é vital devido à variedade e complexidade dos dispositivos de segurança. Se os funcionários não puderem usar os sistemas de forma consistente e correta, eles ficarão frustrados e mais propensos a economizar. Treine funcionários em segurança apenas até o nível necessário para concluir seus trabalhos.

A resiliência é essencial para data centers que exigem 100% de tempo de atividade. Um plano de recuperação de desastre incluirá quem notificar, as etapas imediatas necessárias para limitar os danos, juntamente com informações sobre recursos e instalações de backup disponíveis.

Quando algo dá errado com o sistema de segurança, uma central precisa de ajuda rapidamente. Um acordo de nível de serviço (SLA) fornece uma fonte recorrente de receita para integradores. Um SLA deve delinear tempos de resposta de serviço específicos para emergências, ao mesmo tempo que define o que constitui uma emergência – por exemplo, um leitor inoperante na entrada do funcionário seria qualificado, mas um leitor quebrado em uma sala de conferências não.

Os integradores também podem considerar a ideia de incorporar membros da equipe. Atribuir permanentemente um ou mais membros da equipe do integrador ao data center pode permitir que muitos problemas de segurança em potencial sejam resolvidos antes que surjam. Os membros da equipe do integrador também podem conduzir visitas diárias e ajudar com outras funções de segurança, como baixar e instalar atualizações de software do dispositivo.

John Nemerofsky é diretor de operações da Sage Integration, sediada em Kent, Ohio

Fonte Base do Texto: https://www.securityinfowatch.com/critical-infrastructure/article/21162270/defending-data-centers

5 Recursos de Segurança Importantes em um Torniquete para Controle de Acesso

5 Recursos de Segurança Importantes em um Torniquete para Controle de Acesso

Torniquetes, também conhecidos como catracas de corpo inteiro, fornecem um altos nível de segurança. Mas, por que a maioria ambientes de alta segurança os usa afinal? Aqui estão os recursos de segurança mais importantes que você obtém com torniquetes

1. Barreira Completa

Os torniquetes atuam como barreiras totais. Por exemplo, compare-os com as tradicionais catracas. Uma pessoa poderia simplesmente pular por cima de uma catraca ou rastejar por baixo dela.

Torniquetes não têm essa “falha”. Isso porque eles geralmente cobrem toda a largura e altura do ponto de entrada. Na maioria das vezes, os torniquetes têm cerca de 2.5 metros de altura.

Além disso, você pode instalar torniquetes em ambientes externos e elas terão a mesma utilidade. Alguns modelos externos vêm com um teto de metal. O telhado protegerá os componentes eletrônicos e evitará que as pessoas subam por cima deles. Portanto, a única coisa que você precisa fazer é proteger a área lateral com uma cerca.

2. Construção robusta em metal

Os torniquetes são portões de metal duráveis. Na maioria dos casos, eles são feitos de ferro, alumínio ou aço inoxidável. Portanto, seria difícil danificá-los com força física. Além disso, eles são resistentes a climas adversos. Porém, alguns modelos são destinados apenas para uso interno.

Além disso, as hastes de metal giratórias tornam difícil que duas pessoas fiquem perto uma da outra, muito menos entrem juntas. Esse recurso de design limita a entrada a apenas uma pessoa por vez e evita a utilização não autorizada.

3. Mecanismo de bloqueio

Os torniquetes podem vir com mais de um mecanismo de travamento. Um deles evita múltiplas entradas bloqueando instantaneamente as hastes de metal após uma única passagem. O outro é eficaz em caso de bloqueio de segurança.

Por exemplo, se uma pessoa não autorizada entrar em uma área restrita, o portão pode ser trancado para impedir a saída. Portanto, o sistema de bloqueio pode desativar a entrada e saída até que o problema de segurança seja resolvido.

Por esse motivo, torniquetes são comuns em cadeias e prisões. Eles podem não apenas limitar a entrada, mas também impedir que as pessoas saiam do prédio.

Em caso de emergência, o mecanismo de bloqueio pode ser desativado para permitir a passagem livre.

4. Controle de Velocidade

Controlar a velocidade com que as pessoas passam pelo portão é um importante recurso de segurança. Os torniquetes permitem definir a velocidade dos braços rotativos de metal.

Se quiser monitorar de perto cada entrada, você pode diminuir a velocidade dos braços rotativos. Mas, caso você queira acelerar o tráfego e ainda limitar a entrada a uma pessoa por vez, pode aumentar a velocidade.

5. Dispositivos para controle de acesso

Torniquetes geralmente vêm equipados com dispositivos de controle de acesso. Leitores RFID, leitores de código de barras ou de impressão digital estão entre os mais populares. Eles limitam o acesso apenas a pessoas com autorização adequada.

Portanto, os dispositivos de controle de acesso eliminam a necessidade de um segurança. Eles usam software e bancos de dados para filtrar pessoas autorizadas daquelas que não são.

Dependendo do nível de segurança, você pode instalar catracas com diferentes dispositivos de controle de acesso. Por exemplo, scanners de identificação podem ser menos seguros do que scanners de rosto ou impressão digital.

O que Observar Ao Comprar um Portal Detector de Metais

O que Observar Ao Comprar um Portal Detector de Metais

1. Facilidade de uso

Um sistema de segurança avançado deve ser facilmente configurado e operado. Painel de funções simples e intuitivo é um item que deve observado na hora de comprar este tipo de equipamento. A disposição dos indicadores luminosos de status do equipamento como zonas de detecção, indicador de massa metálica, sinaleira para o passante etc. devem estar bem localizados e com uma intensidade de luz suficiente para que os operadores visualizem a distância.

2. Sensibilidade

Detectores de alta sensibilidade podem detectar desde pequenos componentes eletrônicos até mesmo jóias. Definir o padrão de sensibilidade necessário do portal detector de metais é essencial para seu bom uso. Diálogos com o fornecedor a fim de assegurar que o equipamento em negociação atende seus requisitos é de grande importância na hora de adquirir o detector. Algumas empresas podem emitir declarações de fornecedor mediante envio de amostras.

3. Estabilidade

Equipamentos detectores de metais recebem muita interferência de influências mecânicas, eletromagnéticas e eletrônicas. Um equipamento estável é aquele que emite o menor numero possível de alarmes falsos, a forma com que o detector de metais foi projetado eletronicamente (filtros, métodos de analise de espectro etc.) e mecanicamente (design, robustez e aplicação de materiais) influenciam diretamente em sua estabilidade.

4. Preço

Em meio aos desafios econômicos atuais, o preço possui uma grande importância na aquisição de qualquer bem capital. Nem sempre detectores com um valor abaixo do mercado são realmente os mais baratos, se deve levar em conta inúmeros fatores para calcular seu real valor a longo prazo. Detectores de metais de alta qualidade normalmente são mais caros, porém o custo de manutenção após garantia e o tempo de inatividade ou problemas ao longo de sua vida útil podem justificar o valor de aquisição mais elevado.

5. Manutenção

Em pontos de revista de alta segurança a utilização do detector de metais é imprescindível, por essa razão o tempo de inatividade dos equipamentos, deve ser o mínimo possível. É muito importante verificar se a empresa fornecedora do equipamento de detecção de metais possui rede de assistência técnica próxima, apta e com peças sobressalentes disponível para um atendimento eficaz.

Conheça nossa linha de portais detectores de metais MAGate…

Detectores de Metais e a Prevenção de Furtos Na Indústrias e Comércio

Detectores de Metais e a Prevenção de Furtos Na Indústrias e Comércio

Mercado em ascensão quando falamos de detectores de metais, pode diminuir ou até eliminar a ocorrência de roubos em estabelecimentos que fizerem seu uso.

Alguns setores que utilizam detectores de metais para prevenção de furtos são: joalherias, depósitos, transportadoras, comércio, indústrias de manufatura, estabelecimento de desenvolvimento de projetos de alta confidencialidade, entre outros.

É essencial saber qual o tipo do menor material que o cliente deseja detectar neste mercado, para isso, o procedimento padrão é a solicitação do envio de amostras , esta deve ser analisada pelo fornecedor do dispositivo e posteriormente enviado um feed-back ao cliente indicando os resultados do teste.

Os clientes de soluções para prevenção de furtos normalmente não estão habituados com os procedimentos para o bom funciona mento do detector, cabe ao fornecedor instruir o cliente de todos os aparatos e rotinas necessárias para sua operação. A contratação de um vigilante é de total necessidade. Além do estabelecimento de procedimentos padrão para teste periódico do detector.

Uma dúvida muito freqüente dos clientes desse nicho é relativa a a legislação brasileira vigente sobre o uso de detectores de metais na saída de estabelecimentos. Mais informações podem ser verificadas no texto abaixo:

REVISTA PESSOAL E DE VEÍCULOS DE FUNCIONÁRIOS

Ellen Cristine Salzedas Muniz: Advogada do escritório Marcos Martins Advogados Associados. Especialista em Direito Processual Civil.

O texto a seguir tem como escopo tratar de forma simples e objetiva um tema que gera inúmeros pedidos de indenizações por danos morais em nossa Justiça do Trabalho.

Pois bem. Em primeiro lugar, cumpre informar que os nossos Tribunais vêm demonstrando entendimento no sentido de ser cabível a revista pessoal de funcionários, desde que respeitados os direitos à intimidade, imagem e honra dos mesmos.

Tais procedimentos encontram embasamento no poder diretivo e de fiscalização do empregador, poderes esses que possuem obviamente limites, os quais devem ser respeitados, sob pena de causar dano à moral dos funcionários.

Neste aspecto, devemos nos atentar para os ensiname ntos do jurista Irany Ferrari e Melchíades Rodrigues Martins (2006, p. 403):

Verifica-se, portanto que o poder diretivo do empregador não é absoluto, encontrando restrições quando vier a colidir com os direitos da personalidade da pessoa do trabalhador, direitos estes consagrados no Texto Constitucional e no Código Civil em vigor, e, mais, ainda, associados aos valores sociais do trabalho e da livre iniciativa que constituem também fundamentos da República (art. 1º, IV). Os empregados também devem respeitar as normas estabelecidas pelo seu empregador dentro de um respeito mútuo, não desvirtuando das atribuições do seu cargo e contribuindo para a formação de um ambiente sadio e produtivo que leva à integração dos institutos decantados pelo novo Código Civil e ligados à função social do contrato de e à função social da empresa. […]. E quanto ao poder diretivo do empregador, impõe-se a observância dos mencionados limites que se transmudam em garantias para os trabalhadores e também para os empregadores, pois tais direitos, numa acepção ampla, se convergem para o sucesso do empreendimento. A priori, cumpre dizer que é proibido ao empregador realizar a revista íntima da mulher, consoante previsto no artigo 373-A, inciso VI da Consolidação das Leis do Trabalho: Art. 373-A. Ressalvadas as disposições legais destinadas a corrigir as distorções que afetam o acesso da mulher ao mercado de trabalho e certas especificidades estabelecidas nos acordos trabalhistas, é vedado: VI – proceder o empregador ou preposto a revistas íntimas nas empregadas ou funcionárias. (red. L. 9.799/99) (CARRION, 2010, p. 289)

Lembra-se apenas que, embora os Tribunais entendam pela admissão de realização de revista pessoal nos funcionários, tal procedimento deve ser feito com extrema cautela, pois, caso contrário, qualquer abuso, por mínimo que seja, praticado pelo empregador poderá acarretar dano moral cometido em face do trabalhador.

Assim, é conveniente que todo e qualquer procedimento que venha a ser adotado pela empresa seja levado detalhadamente ao conhecimento de todos os colaboradores, por meio de comunicados distribuídos por todos os locais de grande visibilidade nas dependências da empresa.

Importante ser destacado que as revistas (pessoais e em objetos) devem ser procedidas em todos os funcionários, sem exceção, ou ao menos nossetores de maior risco de ocorrências, mas com a totalidade dos colaboradores neles atuantes, a fim de que isto não gere o sentimento de discriminação ou perseguição com este ou aquele indivíduo.

As revistas pessoais que impliquem em contato físico com os colaboradores deverão ser realizadas por pessoas especializadas nas áreas de segurança, sendo que a revista feminina deverá ser efetuada por mulheres, e a revista masculina por homens, sempre se respeitando a imagem, honra e intimidade dos funcionários.

As revistas (pessoais e em objetos) devem ser realizadas em locais apropriados e designados para tais procedimentos, não devendo ocorrer em quaisquer lugares da empresa indiscriminadamente, evitando-se, assim, situações vexatórias e constrangedoras.

Quanto às câmeras, faz-se importante ressaltar que em hipótese alguma deverão ser instaladas em locais como banheiros e vestiários. Caso haja instalação de tais equipamentos em outros locais da empresa, deverá haver comunicado visível de que aquele ambiente está sendo monitorado por meio de câmeras filmadoras.

Referência

CARRION, V. Comentários à consolidação das leis do trabalho: legislação complementar, jurisprudência. 35. ed. São Paulo: Saraiva, 2010. FERRARI, I.; MARTINS, M.R. Dano moral: múltiplos aspectos nas relações de trabalho. 2. ed.

São Paulo: LTR, 2006. Com base no artigo acima verifica-se a legitimidade do uso de detectores de metais na saída de estabelecimentos industriais e comerciais para o fins de revista.

Com base no artigo acima verifica-se a legitimidade do uso de detectores de metais na saída de estabelecimentos industriais e comerciais para o fins de revista.

Os ajustes do detector quando utilizado para prevenção de furtos, prioriza a identificação de todos tipo de metais. Por esse motivo é importante ressaltar aos clientes que se usado em sua sensibilidade máxima o detector pode vir a ser acionado por botões, zíper e armações de sapatos. Muitas empresas estabelecem como padrão o uso de sapatos sem armação e de macacões sem zíper ou botões, adequando seus uniformes ao uso dos detectores de metais.

Casos de uso do detector para prevenção de furtos:

    • Indústria metal mecânica: Prevenção de furto de peças, ferramentas, insumos, entre outros.
    • Indústria eletrônica: Roubo de componentes, placas, cobre, ferramentas, entre outros.
    • Centros de desenvolvimento de projetos ou centros de processamento de dados sigilosos: Prevenção da saída de colaboradores portando pendrives e hds com informações sigilosas ou ainda protótipos sigilosos.
    • Centros de distribuição e transportadoras: Prevenção de roubo dos mais diversos tipos de objetos metálicos.
    • Joalherias: Roubo de jóias, relógios, peças metálicas de valor.
    • Indústrias alimentícias: Prevenção de roubo de facas, serras, entre outros.
  • Indústria farmacêutica: Prevenção de roubo de cartelas metalizadas de remédios.

Conheça nossa linha de portais detectores de metais MAGate e de detectores de metais portáteis MAGrip

Porta de Segurança Para Comércios e Joalherias

Porta de Segurança Para Comércios e Joalherias

Cada vez mais frequentes, os assaltos a estabelecimentos comerciais e privados evidenciam o aumento da violência no país. A crise e o desemprego são fatores agravantes e a curto prazo não apresentam cenário de melhora. As principais ferramentas na hora da proteção patrimonial são o CFTV, alarme e segurança privada, dispositivos com limitações. No caso de assalto, realizar a identificação do criminoso através de CFTV normalmente não é possível ou devido a baixa qualidade das imagens ou utilização de proteção na face dos criminosos. O alarme, se trata de solução meramente corretiva, e é acionado durante ou após o ocorrido. Seguranças privados possuem alto custo, e infelizmente é comum ouvir casos de seu envolvimento com os criminosos nos noticiários, já que estes conhecem nos mínimos detalhes a rotina do estabelecimento.

A mesma situação podia ser encontrada nas agências bancárias durante a década de 80, alta da criminalidade, grande incidência de assaltos e soluções de segurança como blindagem de caixas, alarme e seguranças armados, todos somente efetivos como ações corretivas. É nesta mesma época que surgem as portas giratórias detectores de metais (PGDM) primeira ferramenta totalmente preventiva a assaltos implementado pelos bancos. A porta de segurança com detector de metais se diferencia de outras soluções já que inibe o criminoso antes mesmo de sua entrada ao local. O resultado foi tão positivo que acabou sendo implantada em todo território nacional.

A INSETEC acompanhou de perto esta história e vem sendo um dos principais fornecedores das instituições financeiras desde então. Em meados do ano 2000 inicia a fabricação de eclusas automáticas com detectores de metais, equipamento composto por duas portas automáticas deslizantes e detector de metais em seu interior. Inicialmente este equipamento é implementado em agências bancárias destinadas a clientes de alto poder aquisitivo. O sucesso do equipamento foi imediato já que deixa o dispositivo de segurança mais amigável, visualmente agradável e convidativo ao usuário. Visando a segurança e o bem estar da sociedade, sem esquecer do design e intuitividade a INSETEC inicia implantação deste sistema de segurança em joalherias e estabelecimentos comerciais, tendo grande aceitação com diversos cases de sucesso no mercado privado.

As principais vantagens que acompanham esta nova geração de portas de segurança é seu apelo estético personalizável, disponível em diversos tipos de acabamentos e revestimentos, o impacto amigável que a porta deslizante automática traz a qualquer estabelecimento comercial, se abrindo com a aproximação de um possível cliente, o convidando a entrar e conhecer o estabelecimento. Outras vantagens que acompanham este equipamento são o isolamento térmico e acústico, como em nem um momento as duas portas abrem ao mesmo tempo não há troca de calor ou frio entre ambiente interno e externo e há sempre uma barreira acústica. Devido a largura de passagem, a eclusa automática é compatível com a entrada de cadeirantes sem a necessidade de adaptações ou portas auxiliares.

A operação da eclusa automática com detectores de metais é simples. Ao se aproximar da entrada a porta de correr abre e o usuário atravessa o detector de metais em seu interior. Na ausência de metais perigosos a primeira porta de fecha e a segunda se abre. No caso detecção de metais a segunda porta fica travada até que o responsável do estabelecimento verifique os objetos metálicos do usuário e libere através de controle remoto, fechando a primeira porta e abrindo a segunda.

O medo e a insegurança do dia-a-dia de joalherias e outros tipos de comércios que trabalham com mercadorias de alto valor pode ser reduzido com a utilização de portas de segurança, é um investimento com retorno e satisfação garantidos.

Conheça nossas eclusas automática com detector de metais….